Clínica Fisio Terapêutica Zavarize - Fisioterapia, Clinica Zavarize, Fisio Zavarize, Mogi Mirim, RPG, Atendimento Neurológico, Pilates, Fisioterapia Geral, Auriculoterapia, Fisioterapia Respiratória, Hidroterapia, Terapia Ocupacional - Mogi Mirim
CREFITO-3/1159

Artigos  
Artigos
 
24/06
27/04
11/03
 
 
Dicas & Informações
 
24/07
08/07
23/05
 
O KINESIOTAPING E SEU USO NO ESPORTE
24/06

O KINESIOTAPING E SEU USO NO ESPORTE

 
O Kinesiotaping é uma técnica que é realizada com a utilização de bandagens elásticas que colam na pele e tem a função de melhorar o movimento, corrigir a postura, estabilizar e posicionar as articulações, aliviar as tensões musculares e dos tendões, reduzir as dores e melhorar a performance no atleta. Neste artigo será abordada a sua utilização no esporte e na prática de atividades físicas em geral.

Desde há muito tempo o homem se utiliza de bandagens para imobilizar um membro ou para tratar alguns tipos de lesões. Podemos citar as imobilizações nas entorses e as ataduras utilizadas nos problemas circulatórios e linfáticos. Mas os gregos já utilizavam as bandagens e enfaixamento para a realização de atividades físicas há cerca de 400 anos antes de Cristo. Geralmente a prática de atividades físicas intensas estava relacionada com a guerra, então eles utilizavam as bandagens para enfaixar os punhos dos arqueiros ou as panturrilhas dos soldados espartanos para dar mais segurança e estabilidade no local. Hipócrates (460-370 AC) também descreveu a realização da correção de pé torto congênito por meio de bandagem.

A primeira utilização das bandagens de Kinesiotaping no esporte ocorreu nas olimpíadas de Seul em 1988 e no Brasil foi bastante popularizada após as Olimpíadas de Pequim.

As fitas de Kinesiotaping modernas tendem a imitar as funções básicas da pele humana, principalmente no que tange a sua elasticidade. A espessura dessas fitas é aproximadamente a mesma que a da epiderme humana, imitando a percepção do corpo de peso e elasticidade, como se fosse uma “segunda pele”. Após aproximadamente 10 minutos o paciente, geralmente, não percebe mais a presença da fita em sua pele, porém quando movimenta a região tratada sente a correção e o estímulo ali aplicado.

O material das bandagens é composto de um fio elástico de polímero envolto por fibras de algodão 100%.  As fibras de algodão permitem a evaporação da umidade do corpo e permitem a secagem rápida. Não há látex na fita e por isso, raramente provoca reações alérgicas ou irritações na pele.

Quando se realiza a aplicação em atletas, geralmente se procura estimular por meio da elasticidade das bandagens, os músculos que são mais necessários para a realização de certos movimentos frequentes em determinado esporte. Pode-se também procurar estabilizar um segmento ou articulação que esteja apresentando instabilidade e causando insegurança na prática e com isto, é possível melhorar o desempenho, prevenir lesões e aliviar a dor em locais muito exigidos do corpo.

 

 A aderência da fita se completa após 20 minutos da aplicação e o calor da pele contribui para esta aderência. Então, exercícios mais vigorosos ou aqueles que estimulam a transpiração, devem aguardar este período. Portanto, as bandagens de Kinesiotaping, quando bem aplicadas, não saem na água e possibilitam assim, a utilização na natação, no triatlo e em diversas outras modalidades esportivas.

Para a aplicação correta é necessária uma boa compreensão da anatomia humana para dominar a arte das bandagens. O profissional precisa compreender as estruturas anatômicas que serão submetidas à tentativa de suporte pela aplicação das bandagens. É preciso entender a ligação entre a estrutura anatômica, a biomecânica (movimentação) normal do corpo e o mecanismo da lesão com o objetivo que se procura atingir com a utilização da bandagem. O profissional precisa também, saber identificar e palpar as estruturas anatômicas, utilizando conhecimentos da anatomia de superfície.

Só através de uma minuciosa avaliação e de um adequado diagnóstico funcional é possível realizar uma aplicação de Kinesiotaping eficaz e que não traga problemas para o atleta. Portanto, é imprescindível procurar um profissional habilitado na técnica para sua correta utilização, quer seja no esporte ou como outras formas de aplicação.


Fonte:Jornal O Impacto





 

« Voltar